Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

estrategiaeexcelencia

estrategiaeexcelencia

FUMAR, UM HÁBITO CARO!!!

Segundo o professor Kari Reijula, do Instituto Finlandês de saúde ocupacional, fumar custa caro não apenas para os fumantes, mas também para seus empregadores e para os não-fumantes. As horas de trabalho que se perdem apenas com intervalos para fumar "custam para a economia nacional 16,6 milhões de euros ou (21 milhões de dólares) por ano", relata o site da empresa Finlandesa de Radiodifusão. Calcula-se que os "trabalhadores que fumam um maço de cigarro por dia percam o equivalente a 17 dias de trabalho por ano". As licenças por motivo de doença aumentam os custos ainda mais. Reijula diz também:"Os estudos mostram que o índice de acidentes de trabalho entre os empregados que fumam é mais alto." Além disso, segundo o relatório, fumar também aumenta os gastos com limpeza, bem como com eletricidade, "visto que é preciso manter a ventilação na potência máxima". Mais grave é o fato de que "cerca de 250 finlandeses não-fumantes morrem a cada ano, vítimas de doenças relacionadas com a exposição à fumaça de cigarro no trabalho ou nas horas vagas". (Fonte: Rev. Despertai)

QUARTA, DIA DE INFORMAÇÕES....

MITOS PREJUDICAM DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DO CÂNCER DE MAMA
Relatórios divulgados pelo Instituto do Câncer do estado de São Paulo (Brasil) aponta que a desinformação pode atrapalhar o diagnóstico e prejudicar o tratamento! De acordo com o Instituto, o câncer de mama é, atualmente, uma das doenças que mais matam em todo o mundo. Somente no Brasil, dentre todos os tipos de tumores, o de mama é o da segunda maior incidência nas mulheres. As dúvidas que ainda persistem e são bastante questionadas: "Eliminar o leite da dieta ajuda a curar uma neoplasia maligna de mama?, O uso de desodorantes pode provocar câncer?, O consumo elevado de vitamina D aumenta o risco de desenvolvimento da doença?".
De acordo com as declarações do mastologista do Icesp, José Roberto Filassi, no site do Instituto, ainda se sabe pouco sobre os comportamentos que ajudam a ampliar ou reduzir as chances de se ter a doença, porém é possível afirmar ou desmistificar alguns desses questionamentos. "Conversar com seu médico é sempre o melhor caminho para esclarescer as dúvidas sobre este assunto", alerta. Sendo assim, vejamos juntos o que é Mito e o que é Verdade neste assunto:
MITO
  1. Cessar o consumo de leite de origem animal cura o câncer de mama
  2. O uso de desodorantes pode aumentar o risco de desenvolver a doença
  3. Quem não tem histórico familiar não apresentará a doença
  4. Próteses de silicone podem causar neoplasia maligna de mama

VERDADE

  1. A falta de vitamina D pode aumentar as chances de surgimento deste câncer
  2. Emoções negativas como estresse, raiva e mágoas estão associadas ao câncer
  3. Histórico familiar é um importante fator de risco para o câncer de mama. Se o parentesco for de primeiro grau (mãe ou irmã) a atenção deve ser redobrada
  4. Câncer de mama está associado à idade: quanto maior a idade maior a chance de incidência
  5. Ter a primeira menstruação precocemente ou a menopausa tardia (após os 50 anos)aumenta o risco de desenvolvimento da doença
  6. Gestações tardias (após os 30 anos) e a nuliparidade (não ter tido filhos) também ampliam o risco para o câncer de mama
  7. A ingestão regular de álcool, mesmo que em quantidade moderada e o tabagismo podem elevar a chance de desenvolvimento da doença.

Hábitos saudáveis, como uma dieta equilibrada e prática regular de exercícios físicos, são recomendações básicas para prevenir o câncer de mama, já que o excesso de peso aumenta o risco de desenvolver a doença. Nunca esquecer também que é importante a própria mulher fazer exames regulares, massagens em seus seios para tentar perceber alguma anormalidade, também não esquecer que a forma mais eficaz para a detecção precoce do câncer de mama são o exame clínico e a mamografia.

NOTA

As informações aqui fornecidas NÃO SUBSTITUEM a consulta médica. Procure sempre uma avaliação com um médico de sua confiança. Use o tempo a seu favor! (Rev. Brasil)

Pág. 1/21